quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Farsa


Não há nada de surpreendente nas conclusões da auditoria. A chamada à realidade já vem sendo feita há alguns anos e o documento mais recente apenas objectiva aquilo que era conhecido em traços gerais. A expressão falência técnica só servirá para espicaçar cronistas e outros opinion makers, trazendo mais uma vez para a praça pública o debate das contas do clube. O muito que se discute sobre o futuro do Sporting é proporcional ao que se desconhece das realidades de Benfica e Porto.

Mas isso é bom. Trabalhar com a realidade e colocar os adeptos e sócios a par do problema é um exercício de verdade e estabelece as bases de um futuro entendimento quanto a algumas soluções drásticas que irão ser tomadas num futuro próximo. Seria mais difícil de explicar o porquê de alguns actos de gestão continuando a manter um falso status de “contas saudáveis”. Essa é a diferença entre o Sporting e os seus rivais. A coragem.

Pinto da Costa e LFV têm um problema muito maior. Ao caminhar sobre mentiras e omissões há muitos anos, os dois emblemas têm implementados todas as soluções financeiras adoptadas pelos leões, a calendarização e dimensão dos empréstimos obrigacionistas só pode revelar uma verdade muito semelhante entre os três grandes. Sendo que o Porto é o que mais recebe, também é o que mais gasta e não tem de longe o melhor patamar de cotizações e merchandising. O Benfica apenas há 3 ou 4 anos começou a controlar o seu endividamento, mas a necessidade de “acompanhar” o passo do Porto forçou as finanças do clube a vários passos menos claros, com somas de dinheiro estranhas declaradas em vendas e compras de jogadores.

Quando os sócios do Sporting tanto se escandalizaram com a origem dos fundos de investimento propostos por um candidato às eleições, estavam longe de imaginar a sucessão de negociatas dos seus dois rivais que à falta de verbas para transferências optaram por comparticipações muitos estranhas, de origem duvidosa, algumas já sobre a vigilância apertada da FIFA. O futuro dirá um dia, a que “demónio” venderam os benfiquistas e portistas as suas almas.

E se os 3 grandes estão pisar a linha da austeridade, o que dizer dos restantes? Se o Braga é (até ver) uma excepção, é impossível não considerar os sinais claros de que o Guimarães, Setúbal, Belenenses, Leiria e Boavista entraram há muito numa antecâmara da insolvência. Marítimo e Nacional sofrerão em breve a machadada final na sua “vantagem” orçamental sobre os clubes do Continente. Todos os mencionados e alguns outros estarão para liquidação total no início de Junho.

Mas nada disto interessa discutir quando há para dissecar uma crise financeira do Sporting. Com tanto que se dirá, talvez num futuro próximo muita gente se contradiga quando for o “coitadinho” Sporting o único a sobreviver a resgates mais violentos de dívidas que ainda ninguém conhece.

“Pão e Circo”

Até breve.

PS- Carlos Barbosa demitiu-se depois de afirmar que o seu trabalho fora concluído. Das duas uma, ou o senhor gosta de fazer muito pouco na vida, ou o que fez não chegou para convencer a restante direcção.

4 comentários:

  1. O problema do Sporting continua a ser o mesmo, ou seja:"Nós estamos mal, mas os outros estão iguais ou parecidos"...Por isso aconselho a ler um post no blog"Sporting até Morrer"...

    ResponderEliminar
  2. E digo mais...Brevemente o Sporting nem dos sportinguistas será...

    ResponderEliminar
  3. Olá.poderia-me dar o seu mail? tenho um assunto a lhe propor faço parte do blog"o lado do futebol que nunca viram"
    renatocoutinho14@gmail.com

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O email está do lado direito do blog lá bem em baixo.

      Eliminar