sexta-feira, 29 de julho de 2011

Análise do plantel 2011/2012

Com plantel, por agora fechado é tempo de construir algumas previsões. Podem achar que sou demasiado optimista, mas não acredito que esta seja uma época com semelhanças a anteriores. Uma coisa é certa, Benfica e Porto estão menos forte, pode até ser pouca a diferença, mas é visível e importante, hora para projectar o que cada um do plantel pode dar à equipa à luz da sua evolução individual e concorrência.

Camisola 1
Rui Patrício

Uma ano para consolidar a titularidade e confirmar o mesmo na Selecção. Já está à porta da 1ª linha de guardiões mundiais, no final deste ano a continuar o nível exibicional, estará lá em pleno.

Camisola 12
Marcelo Boeck

Demorou a confirmar o talento que revelou no Brasil. Mas fê-lo e conquistou um lugar num grande. Esta época será suplente natural e a 2ª escolha para a baliza, mas com a uma futura venda de Patrício, abre-se se uma antecâmara onde pode mostrar uma candidatura ao lugar.

Camisola 16
Tiago

É da casa, conhece bem os cantos à mesma e pelo profissionalismo demonstrado é o elo de ligação que faz falta. Antes de encerrar a carreira irá fazer mais um ano, previsivelmente no banco, mas a utilidade de Tiago vai muito para além das convocatórias.

Camisola 19
Santiago Arias

Vai chegar tarde e veremos se a tempo de convencer Domingos. Existem Pereirinha, Pereira e Gonçalves, muita concorrência. A ficar deverá ganhar rotina em treino e em provas menores. Um ano para se ambientar. Uma boa aquisição. Árias é um lateral moderno, completo e com uma abordagem ao jogo bastante focada.

Camisola 88
Gonçalves

Depois de boas temporadas emprestado, este jogador formado na casa ocupa um lugar no plantel e uma última oportunidade de se mostrar. É o tudo ou nada. A sua polivalência na defesa é um extra que decerto pesou na sua avaliação.

Camisola 47
João Pereira

Espera-se um ano em grande. Com as portas da titularidade na Selecção escancaradas (Miguel, Bosingwa são nomes que já não assustam) este pode ser o auge de uma carreira pontuada com altos e baixos. Disciplinarmente espera-se evolução, os anos de rookie já lá vão e o estatuto que ocupa no futebol português obriga-o a uma abordagem mais responsável em campo.

Camisola 6
Evaldo

Visto como um dos mais fortes laterais do nosso futebol, deixou parte dos créditos por confirmar. Espera-se que beneficie como ninguém da chegada de Domingos. Precisa de rentabilizar o seu forte desempenho atlético, dando ao flanco mais segurança e mais consistência no ataque. Pode ser a sua melhor época.

Camisola 89
Atila Turam

Uma contratação sem qualquer previsão de sucesso. A sua cláusula de rescisão prova que muito se espera dele no futuro. Talvez dispute, algures pela época adentro a titularidade de Evaldo, mas para já parece-me um suplente natural. Tem boas referências técnicas, mas não tem experiência de futebol de 1ª linha.

Camisola 2
Alberto Rodriguez

Uma grande época no Braga, uma boa Copa América. O Peruano não tem titularidade garantida no clube, embora se espere que contribua para um bom desempenho defensivo, diferente do que foram as últimas duas épocas. O factor de acompanhar Domingos na transição de clube, parece à partida não ser uma vantagem inicial.

Camisola 3
Daniel Carriço

Já esteve mais perto de se afirmar como um valor imprescindível. Mesmo assim são enormes as condições que tem para continuar a crescer no clube e talvez até na Selecção. A capitania parece “pesar-lhe” um pouco, ainda assim é um dos que mais se identifica com a cultura do clube. Pode ser uma época de plena afirmação, tal como foi a anterior para o colega de formação Patrício.

Camisola 4
Anderson Polga

Esteve com pé e meio fora do clube, mas ao que parece foi “travado” pela intervenção de Domingos que preferiu a experiência do ex-campeão do mundo a arriscar mais uma entrada na equipa. Arranca como titular e esperam todos os sportinguistas que tenhamos o bom Polga este ano.

Camisola 5
Onyewu

O internacional norte-americano tem uma coisa que não existia no plantel até à sua chegada, altura e poder físico. Nas bolas aéreas promete fazer estragos, esperemos que defensivamente ajude a que a defesa leonina seja um dos mais fortes pilares da equipa.

Camisola 26
André Santos

De promessa a confirmação. Este ano a concorrência está mais acesa, talvez não exista a vaga de lesões na sua posição como na temporada passada e os valores que chegaram são de monta. Tal como no centro da defesa e no centro do ataque, existe muita disputa por cada lugar na zona média. A grande época que fez não vai ser porém uma vantagem. O jovem médio terá que provar semana após semana valor para chegar ao onze, esta disputa talvez apresse o génio de um dos melhores médios portugueses da actualidade.

Camisola 21
Fabian Rinaudo

Com as suas características é um jogador raro no futebol. Um bulldog de resgate de posse de bola, ao género de um Davids, o argentino revela ainda muita capacidade para discernir os melhores canais para a construção atacante. Promete muito, especialmente como pedra essencial para não permitir espaço ou tempo aos médios organizadores adversários, algo que foi dado em demasia no passado recente. A equipa pode ser construída à sua volta e é isso que Domingos parece querer fazer.

Camisola 28
André Martins

Inesperadamente abriu-se uma vaga para um jogador que nem tinha brilhado durante o empréstimo. Valor não falta, este médio é exímio no passe e demonstra uma leitura de jogo precoce para a sua idade. A presença física é aspecto menos forte num atleta que tem tudo para ser no futuro um bom sucessor de Moutinho. Deve ser um ano para ganhar maturidade e aprender com os companheiros.

Camisola 8
Stjin Schaars

É um jogador diferente, inexistente no futebol português desde a saída de Lucho. Polivalente, pode jogar na posição 6, 7 ou 8, embora seja na posição que equivale ao seu número da camisola que mais pode contribuir para que mostre as suas capacidades de organização e poder de finalização. Grande aquisição. Convocado para a selecção Holandesa. Promete dar mais clareza aos desenho ofensivos e muito mais perigo nas bolas paradas.

Camisola 22
Luis Aguiar

Contratação surpresa. Domingos quis, Domingos teve. E deve saber porquê da importância de um médio como é este “rebelde” Uruguaio. Dono de um senhor pontapé, virá para confirmar os créditos que renovadamente provou em Braga. A lesão só confirmou que parte em desvantagem face a Schaars, Izmailov ou Fernandez para a posição 8, embora possa também rivalizar com Schaars, Santos e André Martins na posição 7.

Camisola 25
Bruno Pereirinha

Até ao final de Agosto será difícil que alguém aposte na continuidade no plantel. Ainda assim este “apagado” valor da formação leonina pode ter algumas oportunidades. Para tal será preciso que as agarre de vez, o esconder-se do jogo impede que cresça e afirme a mestria com que sabe tratar a bola, assistir companheiros e percorrer o corredor direito.

Camisola 10
Marat Izmailov

Quem diria? O russo ficou e parece ganhar nova vida depois da lesão grave que o impediu de jogar quase a totalidade da última época. Couceiro foi hábil na recuperação de um dos melhores jogadores do plantel. “Preso” ao lugar de ala terá mais dificuldade em ser o Izmailov que todos esperam, mas o Czar leonino já provou no passado que sabe dar à equipa o que ela precisa, independentemente da posição em que joga. Para já ainda recupera índices e confiança física, mas lá mais para o meio da época pode ser um trunfo importante.

Camisola 14
Matias Fernandez

Não foi feliz na Copa América ao ficar lesionado logo no 1º encontro (onde foi decisivo). É o maestro da equipa e pelo final de época que fez mostra que existe um lugar entre o ataque e o meio campo que é dele, independente se é um 8 subido, ou um 10 recuado. É um pequeno génio que se dá bem à solta e só quem não quiser ver é que não vê. Precisa de assentar e ganhar raízes para se soltar e pode ser o ano de comprovação. Existem jogadores assim, é preciso tempo.

Camisola 11
Diego Capel

Futre revelou que chegou a deslocar-se a Sevilha só para o ver jogar. Pois acredito que o fenómeno possa acontecer em Alvalade também. O espanhol é uma aquisição de grande peso. Pelo futebol que tem, pela irreverência sempre ligada, pela carreira de astro que quer ver recuperada. Em Sevilha teria o lugar ocupado por investimentos avultados do clube para a sua posição e ainda bem, no Sporting faz muita falta. Um ala de raiz, esquerdino e…bom. Tempo para matar saudades de ver jogadores únicos de verde e branco vestidos.

Camisola 7
Valery Bojinov

A maldição do 7, será sobretudo para as equipas adversárias. Não se percebe muito bem em que lugar Domingos o colocará a jogar, se a 2º avançado ou a extremo, mas uma coisa é certa, pelas temporadas que fez em Itália, o búlgaro tem a obrigação de se superar em Portugal. Aqui as defesas são menos povoadas, existe um pouco mais de tempo para pensar e brilhar se o seu muito talento estiver concentrado no campo de futebol. Pode ser um Ás a sair do banco em muitas partidas. Um às de trunfo e triunfo.

Camisola 9
Van Wolfswinkel

O nome pode ser difícil de pronunciar, mas com golos não há nenhum nome que resista. É uma grande promessa do futebol das terras baixas e foi com perspicácia que Freitas detectou a oportunidade de interromper uma carreira natural que o levaria primeiro a um grande clube holandês e depois a um “tubarão” da Europa. É um avançado com mobilidade invulgar para a sua estampa física e promete colocar as defesas em sentido, mesmo que por vezes actuando distante da área. Terá como principal função impedir que Postiga se afirme no onze numa táctica um avançado e ser o companheiro ideal do mesmo num esquema com dois avançados (à partida o preferido de Domingos). Não irá ser fácil e tal como André Santos no meio campo, a rivalidade pode aguçar-lhe o engenho para não desperdiçar minutos em campo. Algo que parece ser-lhe nato à partida. Um ano para crescer e cimentar o nome num clube de maior projecção.

Camisola18
Diego Carrilho

É o grande mistério do plantel. Será um Djaló? Um Nani? Um Salomão? Ninguém sabe, ou ninguém se atreve a adivinhar o estatuto que pode ter na equipa. Parece remota a possibilidade de ser uma primeira escolha, mas o talento tem destas coisas, às vezes mais vale ser engraçado do que ter graça e Carrilho pode ter um papel importante a representar durante a época. Aguardemos.

Camisola 20
Yanick Djaló

O ano do tudo ou nada. Ou se assume como um predestinado para grandes exibições ou se confirma como um jogador irregular que tanto pode decidir uma partida como passar ao lado da mesma. É difícil para qualquer treinador saber que Djaló entra em campo, mas espera-se que Domingos consiga descobrir onde está a ligação que por vezes falha e que a solidifique de modo a não podermos dizer que “era melhor que se fosse embora”, frase tantas vezes dita pelos adeptos imediatamente depois de uma recepção falhada, de um remate ao lado ou de um arranque despropositado.

Camisola 23
Hélder Postiga

O jogador do planeta que mais odeia os postes da baliza está inspirado neste arranque de época. Revela alguma tranquilidade na decisão e com a chegada de bons alas será directamente beneficiado com boas bolas colocadas na sua posse mais perto da pequena área. Esperemos que o titular da Selecção mostre num pecúlio maior de golos todo o talento que sempre se viu nele. Um talento menos “jeitoso” e mais “proveitoso”.

Camisola 33
Diego Rubio

Talvez ainda não seja agora, mas será certamente um grande avançado no futuro. Tem todos os condimentos que um killer de áera deve ter: bom remate, excelente timing de desmarcação, leitura “nas costas” e sobretudo muita frieza na hora de enfrentar o guarda-redes. Como Zamorano, seu padrinho, é um “facturador” e prefere poucos toques na bola à presença na ficha de jogo como marcador. É rápido, embora tenha de trabalhar o seu “jogo de cintura”. Em Portugal as defesas são mais combativas e não vão abrir tantos espaços para as suas movimentações diagonais dentro da área. Tempo de aprender, tempo de ir aproveitando golo a golo as oportunidades que Domingos lhe poderá dar.

Até breve.

5 comentários:

  1. Caro Violino,
    Uma abraço que leva os meus rasgados elogios.
    Sabe como aprecio os seus posts. Este é um dos melhores que produziu, na minha modesta opinião.
    Gostava de alguma vez ter escrito uma coisa parecida. Mas...cada um tem o seu engenho... e arte... e saber!... Os meus parabéns.
    Guarde bem guardado o que escreveu. A época é longa, mas vai confirmar tudo o que escreveu!...
    É a minha forte convicção.
    SL

    ResponderEliminar
  2. http://www.sporting.pt/olheirosporting.asp?7953201107292033

    ResponderEliminar
  3. Discordo em um ponto que referiu. Na minha opiniao o matias fernandez nem é um 6 adientado nem um 10 recuado. é sim o chamado 9.5, atras do avançado.
    Um correccao nao é diogo carrilho mas sim Andre Carrillo. A par do erro foi um bom post em que mostra a sua opiniao que pode coincidir com algumas ou nao. Boa sorte para futuros post. SL

    ResponderEliminar
  4. blogue do Sporting: Clube dos Lagartos clubedoslagartos.blogspot.com. SL

    ResponderEliminar
  5. bom. sou frequentador assíduo do blog. raramente escrevo mas é bom poder ler sem ter a preocupação de comentar no fim. só dois reparos. a expressão é: "mais vale cair em graça do que ser engraçado".
    o outro tem a ver com a simbologia dos números em campo. um 7 é um extremo puro, portanto schaars santos e martins não o são de certeza. a simbologia do numero teve origem na escola holandesa. na famosa laranja mecânica.

    em campo fica kk coisa como isto:

    --------------1---------------

    2-------3-----------4--------5

    --------------6---------------

    ----------8-------------------
    -----------------10-----------

    7-----------------------------
    -----------------------11-----
    ---------------9--------------

    1-GR
    2/5- laterais. já a holanda tinha laterais ofensivos. hoje parece-me que maicon e coentrão serão os melhores.
    3/4 centrais. um seria fixo outro com maior capacidade para sair a jogar. um rapido outro forte. um bom no futebol aereo outro menos duro de rins.
    6- médio defensivo. aqui há 3 tipos. um trinco, pitbull como o rinaudo como era o davids como muito bem disseste ou o lass do real, um mais forte fisicamente como o javi do benfica para mim o melhor seria o essien ou o fletcher, e outro de construção, como é o andré santos, o pedro mendes, na linha do paulo sousa ou do redondo.
    8- médio de transição e de equilibrios.apoia o ataque e apoia a defesa. um box to box como é o schaars. outros exemplos temos o moutinho que era excelente o scholes o sahin no real ou o xavi no barça. é o real organizador da equipa.
    10- médio ofensivo. o criativo da equipa. criador de desequilibrios e de ultimo passe. kaka, rui costa, zinedine zidane, dani (sim esse modelo que saiu do sporting e nunca se encontrou) iniesta, ozil, sjneider ganso, aimar, bellushi, pastore, maradona e o meu preferido balakov. no sporting temos o grande matias. há aqueles que gostam mais de andar só pelo ultimo terço do terreno (atras do ponta de lança que agora dizem 9.5) e há aqueles que preferem partir mais de trás, para terem mais campo e opções à sua frente, como é o caso do matias.
    7- extremo.futre figo quaresma ronaldo nani simão são os melhores que sairam da nossa escola. são também dos melhores do mundo. o ismaylov faz bem essa posição. o capel é o extremo puro. (em vez de jogar na direita joga na esquerda, inverte-se com o 11)
    11- falso extremo, é o jogador que gosta de cair nos flancos e partir para o meio. para criar desequilibrios. o hulk é um excelente exemplo. assim como o neymar, o robinho ou o benzema, o dirk kuyt é o holandes nascido para essa posição. no sporting temos o bojinov. parece-me mais 11 que 9. temos ainda o messi no barça que faz precisamente isso. o próprio ronaldo actualmente é mais 11 que 7. o pandev no inter de mourinho, o podolski na alemanha.
    9- ponta de lança. mais movel, rooney e pato, mais fixo jardel, mais rato de área, liedson e falcão, mais possante, adebayor. nesta posição temos o wolfswinkel e o rubio. sendo que o rubio me parece um protótipo de falcão ou chicharito e o wolfswinkel algo mais como huntelaar. parece.me que a sua mobilidade era mais por tar no utrech e ser importante fazer mexer a frente de ataque, calculo que no Sporting se torne mais fixo, finalizador. temos também o Postiga. mais técnico e menos finalizador. faz-me lembrar o berbatov. muito trato de bola e poucos golos.

    e fica assim feita a numerologia, a sua origem e o seu significado derivado do futebol holandes em 4-3-3. continuação do bom trabalho. SL

    ResponderEliminar